Richard Gallon

É com grande pesar que reportamos a morte do lendário piloto Richard Gallon, falecido no dia do seu aniversário de 47 anos, 12 de junho de 2020, após uma longa batalha contra uma doença.

Richard Gallon começou sua jornada no parapente em meados da década de 80 em St. Hillaire, cidade onde cresceu. Ao final dos anos 80, já membro da equipe francesa, participava com regularidade das principais competições, se tornando campeão do PWC em 1993.

 Com Andy Heidegger e Sebastien Bourquin, Richard Gallon foi um dos pais da acrobacia em parapente e imagens dele voando Acro são icônicas para pilotos que lembram dos velhos tempos. Muitos de nós de cabelos já grisalhos fomos motivados a explorar o lado dinâmico de nossas velas por filmes como Flamenco Dune, estrelado por Richard Gallon. Quando os irmãos Rodriguez, Raul e Felix, inventaram a manobra SAT, daí surgindo o SAT Team, Richard Gallon era um membro central, se afastando gradativamente de competições cross-country para dar mais atenção para a Acro.

Richard trabalhou como piloto de testes e desenvolvimento para muitas marcas, como Firebird, UP and Skywalk. Em 2008, Gallon decidiu desenvolver uma vela Acro mas a companhia com a qual ele estava trabalhando não teve interesse no projeto. Então resolveu criar a sua própria vela, por conta própria, como um hobby, e a nomeou Emilie, como sua filha. Alguns amigos a testaram e quiseram comprá-la. Desta maneira foi criada a marca AirG. Apesar de pequena, a AirG apoiou e patrocinou pilotos com potencial. Para Richard, parapente Acro era uma família, e ele queria apoiá-la ao máximo possível. Quando adoeceu em 2017, passou o controle de sua companhia para os jovens pilotos com quem ele estava trabalhando.

Após a criação da AirG, Richard Gallon retornou à cena de competições cross-country se tornando uma presença certa no circuito e conseguindo uma vitória no PWC em Val Lourens, França, em 2015. Em uma entrevista para a Parapente Magazine, contou que ainda queria descobrir novos lugares para voar e que sonhava em retornar as longas voos de XC de antigamente.

Richard será lembrado principalmente por seu espírito e sua generosidade. Era um piloto top de linha que sempre tinha tempo para outras pessoas do esporte. Como ele disse para a Parapente Magazine, “Quanto mais eu voo, mais eu percebo que, seja qual for a era ou as pessoas, somos todos iguais. Todos temos a mesma emoção ao pousar. Todos podemos entender uns aos outros.”

Nossa família de pilotos sentirá sua falta e o lembrará para sempre. Nossas condolências à família, amigos e à equipe AirG.

(texto original em inglês publicado na XC Mag em 15/06/2020 - Foto: Nicole Holmes)